terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Narradores de Javé

O longa dirigido por Eliane Caffé em 2001 mostra a história do pequeno povoado de Javé, prestes a ser inundado quando o governo da Bahia decide represar o rio para a construção de uma usina. Dez anos após o lançamento do filme sua exibição se torna cada vez mais necessária em um país que sempre exaltou seu potencial hidrelétrico, ignorando os impactos sociais e ambientais gerados pelas imensas barragens necessárias para a construção das usinas.

Para tentar salvar o local, o povo de Javé, quase todos analfabetos, pensam em escrever um livro com as histórias locais, um registro supostamente científico, para que isso sirva de argumento e impeça a construção da barragem, já que só cidades com importância histórica são poupadas. A transcrição das histórias, difundidas oralmente no povoado, fica por conta de Antonio Biá (José Dumont), que além de saber escrever sabe vender histórias e tem o dom da malandragem, que as durezas da vida ensinam tão bem.

A partir disso o filme segue como uma deliciosa comédia marcada por regionalismos e situações inusitadas dos moradores contanto as histórias da forma como lembram. Não obstante, a memória, como já dizia Walter Benjamin, é recomposta de forma única a cada vez que a invocamos e as acareações informais entre os moradores de Javé nunca chegam a um acordo sobre o que de fato aconteceu.

A divergência em relação aos fatos é bastante natural, assim como a grandiosidade de tudo o que é contado. O povo pode ser simples, sofrido e inculto pela óptica da cultura dominante, mas também têm ícones, mártires e histórias grandiosas, talvez falaciosas como qualquer sociedade, pois isso ajuda a encobrir as mazelas, dando a cada indivíduo a sensação de ser indispensável.

Antonio Biá procura fantasiar ainda mais os fatos narrados, criando fábulas a partir de fatos cotidianos e pensando em detalhes que poderiam beirar o realismo fantástico, tão bem narrados, apesar de não serem escritos. As distorções nos fatos podem, a princípio, ser criticadas, afinal a ideia era fazer um relato científico, baseado no suposto profissionalismo da ciência, que dá veracidade aos fatos de forma quase inquestionável. Porém, se Biá cria fantasias sobre as histórias narradas, os interessados em inundar o local também apresentam dados de forma tendenciosa, omitindo problemas, minimizando impactos e vangloriando as vantagens de uma usina hidrelétrica em um local distante das grandes cidades.

Empunhando a bandeira do progresso e desenvolvimento, em detrimento de comunidades supostamente menores e menos importantes, defensores das usinas hidrelétricas atropelam detalhes primordiais, como por exemplo, para quem se destina o desenvolvimento prometido, já que uma simples sondagem em áreas alagadas com o mesmo intuito (e mesmo discurso) no passado mostrará que as populações ribeirinhas permanecem estagnadas, se não piores em relação ao período anterior ao suposto desenvolvimento. Além disso, mesmo que os povoados inundados pelas represas costumem ser bastante simples, sua população cria raízes – comprovadas pelas histórias narradas em Javé – que não merecem ser simplesmente afogadas por um lago de usina. Ainda que houvesse um programa realmente sério de realocação dos moradores, nuances do local de origem são insubstituíveis, como a personagem do filme que lembra o cemitério da cidade, onde seus antepassados estão sepultados, e agora será submerso para o progresso de cidades e pessoas que aquela população sequer conhece.

A geração de energia é uma necessidade tão grande quanto os problemas que ela gera, não apenas no Brasil, mas em vários outros países que utilizam outras matrizes energéticas. Se a demanda por energia e o potencial hidrelétrico devem ser unidos, o mínimo que se espera – para não entrar no imenso impacto ambiental que uma represa causa – é que o desenvolvimento gerado pela nova usina chegue de fato à população que sacrificou suas terras, suas histórias, suas lembranças, para que grandes centros urbanos pudessem seguir suas vidas como se nada diferente tivesse acontecido. Para que as pessoas tenham histórias, é necessário condições de vida para isso, de forma que não sobrevivam para trabalhar, mas vivam a vida com o direito de extravasar a imaginação e bom humor, tão bem retratados no filme.

Com as discussões sobre a usina de Belo Monte bastante acaloradas, com ambos os lados defendendo bravamente seus argumentos, vemos que não há decisão unânime e plenamente satisfatória, mas os moradores de Javé nos mostram a discrepância de forças entre a população, que só tem suas divertidas e encantadoras histórias, e todo o aparato governamental, capaz de convencer até mesmo de que os impactos de uma hidrelétrica são pequenos. Claro que o filme é um recorte fictício baseado em tantos povoados que passaram e ainda vão passar por situações semelhantes, mas aquele povo passional e divertido sem dúvida é mais esclarecedor que a recente guerra de vídeos sensacionalistas, pró e contra Belo Monte.


2 comentários:

Anônimo disse...

Oi,

Por influência desse blog assisti Narradores de Javé, gostei do filme, pois retrata bem o está ocorrendo com a minha cidade Porto Velho - RO e principalmente com a população mais prejudicada: a RIBEIRINHA.
Aqui estão construindo duas usinas: Jirau e Santo Antônio. Nossa cidade não estava preparada para receber tantos novos moradores que aqui chegaram em busca do emprego dos sonhos, serviços públicos como saúde e educação, que já eram precários, pioraram com o aumento da população, o trânsito ficou caótico e o preço do aluguel e venda das casas virou um assalto. E a questão que fica é "o que vai acontecer quando as obras acabarem e os funcionários forem demitidos? Porto Velho terá mercado de trabalho para comportar tanta mão de obra que aqui chegaram nos últimos anos? Pois quando as usinas começarem a funcionar, o perfil do profissional necessário será outro - mais especializado".
Mas, quem realmente sente os impactos negativos das construções e a população ribeirinha. Apesar da compensação que receberem, teve um distrito que foi removido para um novo lugar todo planejado com casas novas, escola e posto de saúde chamado de Nova Mutum, ainda assim eles os ribeirinhos ficaram no prejuízo. Há quem diga que eles estão reclamando de “barriga cheia”, pois “saíram de casas de madeira para morarem nas de alvenaria”. Só que esquecem que para os ribeirinhos o Rio Madeira não era apenas uma linda paisagem natural a margem de suas casas, do rio eles pescavam para seu sustento, no tempo da seca do rio a terra emergida estava fértil para plantio. Isso são apenas alguns exemplos para mostrar como a vida ribeirinha é bem diferente da urbana e todo esse modo de vida foi tirado deles.
No site abaixo é possível assistir o depoimento do líder comunitário da Nova Mutum, é muito interessante o que ele fala a partir do minuto 1:44.
http://www.youtube.com/watch?feature=endscreen&NR=1&v=gPYBLPodpU4
Todo esse sacrifício para geração de energia que irá por inteiro para região sudeste do país, é quando torna a mente a fala de um dos personagens do filme “Vão ter que sacrificar uns tantos para beneficiar a maioria. A maioria não sei quem são, mas nós que somos os sacrificados.“

Jailena

Alexandre Caetano disse...

Jailena, muito obrigado pelo comentário! Retornos como esse me inspiram a continuar com o blog =)

Pois é, seria muito bom se Narradores de Javé fosse apenas uma ficção divertida e criativa, mas infelizmente há Belo Monte e outras "belo montes" menores espalhadas pelo país que colocam em prática o roteiro do filme. Uma pena que este filme não seja tão conhecido, merecia ser exibido em várias cidades para mostrar o que há por trás do suposto progresso de uma usina!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...